Nenhum comentário

Registro de imóveis mostra tendência positiva

No primeiro trimestre de 2019, houve alta de 11,3% nos registros de compra e venda, em relação a igual período de 2018. Os leves sinais de melhora do mercado imobiliário neste ano, visíveis, por exemplo, nos levantamentos do Sindicato da Habitação (Secovi-SP), foram confirmados pelos dados da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo (Arisp). Trata-se de instrumento adicional de aferição do volume de negócios no mercado, indicando o número efetivo de transações realizadas. “Com esses dados, queremos contribuir para a melhoria do mercado”, afirmou o presidente da Arisp, Flaviano Galhardo.

No primeiro trimestre de 2019, foram registrados 24.957 contratos de compra e venda de imóveis, alta de 11,3% em relação a igual período de 2018. As transações com apartamentos responderam por 54,3% do total, seguindo-se casas (12,8%), terrenos (9,5%) e prédios residenciais (8,2%). Os dados foram extraídos de todos os cartórios de registro imobiliário da capital e indicam que a recuperação do mercado começou em 2017, interrompendo uma sequência de quatro anos de queda dos negócios.

Os levantamentos da Arisp começaram a ser feitos em 2012, quando o número de transações registradas foi de 146.779.

Com a queda que ocorreu a partir dali, o número total de negócios registrados reduziu-se a 89.650 em 2016, ano a partir do qual houve recuperação. Nos últimos 12 meses, até março de 2019, o número de transações atingiu 112.956 unidades.

O ritmo de recuperação é lento, mas, ainda assim, não pode ser ignorado. É provável que a velocidade de recuperação seria maior se a economia crescesse mais do que o ínfimo 1% ao ano observado em 2017 e em 2018. “O mercado, de fato, está reagindo, talvez não no ritmo de que o País precisa, mas o fato é que estamos em uma situação melhor do que a dos últimos anos”, notou o economista Eduardo Zylberstajn, da Fipe-USP – que patrocina o estudo junto com a entidade dos registradores.

Simultaneamente aos dados referentes ao registro das transações, a Arisp informou que a retomada de imóveis garantidos por alienação fiduciária caiu 18,7% nos últimos 12 meses, até março, em relação aos 12 meses anteriores. A queda já havia ocorrido entre 2017, quando 2.256 imóveis foram retomados, e 2018, quando esse número foi de 1.921 imóveis.

As informações sobre o número de negócios e a redução de retomadas refletem a melhora no mercado da capital, o principal do País.

Fonte: opiniao.estadao.com.br